RACHEL

Kölsch

Atendendo a aclamação popular, a cervejaria Artesanal Donna apronta mais uma de suas artes, a kölsch Donna Rachel.

Uma kölsch no limite da maldade, ou seja, mais amargor e mais álcool respeitando o limite superior do estilo.

Donna Rachel e uma homenagem a Rachel de Queiroz, a primeira mulher a entrar para a Academia Brasileira de Letras, eleita para a cadeira no 5, em 1977. Foi também jornalista, romancista, cronista, tradutora e teatróloga. Demonstrava preocupação com questões sociais, destacava-se no desenvolvimento de romances que descreviam o sofrimento cotidiano nordestino.

"Eu nunca fui uma moca bem-comportada. Pudera, nunca tive vocação para alegria tímida, pra paixão sem orgasmos múltiplos ou pro amor mal resolvido sem soluços. Eu quero da vida o que ela tem de cru e de belo. Não estou aqui para que gostem de mim. Estou aqui pra aprender a gostar de cada detalhe que tenho."― Rachel de Queiroz.

Donna Rachel no copo apresenta um suave aroma abiscoitado do puro malte alemão, lúpulos nobres e cremosidade em sua espuma persistente.

Em cada gole de Donna Rachel, percebe-se um paladar suave e arredondado, composto do equilíbrio de sabor entre o malte suave bem atenuado e um amargor final de lúpulo alemão moderadamente alto, que não causa agressividade no retrogosto. Limpa, leve, clara e amargor acentuado, ou seja, uma cerveja completa.

  • Fermentação – alta (ale)
  • Cor – amarelo palha
  • Amargor – 29 IBU
  • OG – 1050
  • FG – 1011
  • ABV – 5,0% vol.
  • Harmonização – carnes leves, frutos do mar, petiscos e saladas